quarta-feira, 11 de março de 2009

55 + 56 + 57 + 58 + 59 + 60 + 61 + 62

Uma semana sem escrever, e o comentário da Carolina pedindo para eu voltar... Aqui estou, com uma equação enorme de dias no cabeçalho; da próxima vez troco para o somatório (= 468). Na verdade eu nunca fui embora, só estou cansado demais para concatenar ideias (que o Word insiste em acentuar, coitado) e redigir qualquer coisa em alguma sequencia lógica formando sentido. Então, para facilitar a minha vida, e retornando onde parei, farei como um fichamento de texto, por tópicos:

1. Na quinta-feira passada a médica desmarcou. Meio que em cima da hora e me deixando sem remédio a partir do domingo. Com isso improvisei e diminuí a dose das cápsulas para uma vez ao dia. Sem diferença alguma, diga-se. Hoje chegam os novos.

2. Meu sono está paulatinamente voltando ao normal; tirando o fato que deito e acordo mais tarde. E sim é porque estou malhando à noite, o que não vai mudar. Não fiz medicina, não sou advogado e muito menos peão de obra para acordar seis da manhã todo dia. Inda mais para ir à academia.

3. Estou com problemas pessoais (gente da família meio adoentada), o que me tem posto para baixo. Mas como não posso fazer muito além de esperar, vou dar uma viajada no fim de semana, ver a minha mãe (com quem ainda não encontrei esse ano todo), rir um pouco e deixar a vida seguir do jeito dela.

4. Enfim dei as caras na rua. Desde o começo do processo eu dei uma desaparecida social (até porque como todo canceriano que se preza eu gosto sim de ouvir "nossa como você está diferente", só que para isso tem de sumir uns dias, não é?), voltando à ativa em uma festa de aniversário no domingo. Com direito a porre de Minalba e tudo o mais.

5. Também no domingo enfim consegui ir a uma festa que dizem que é a minha cara. Eu não presto, mas eu te amo. É mesmo a minha cara, eu sabia cantar 90% do repertório e só não fiquei mais porque no dia seguinte tinha rotina de segunda (trabalho, francês, malhar) mais a médica.

6. Ganhei parabéns da Dra. Ângela, mas vou continuar com a dieta de 1200 calorias mais a mesma prescrição de medicamentos (fluoxetina + sibutramina) pelo menos até a próxima consulta, pré-agendada para 23 de abril, dia de São Jorge. Porém, a doutora se revelou uma autêntica governanta alemã: estabeleceu como meta eu eliminar até o fim de abril mais 9,5 quilos, chegando à marca dos 80kg (faça as contas e descubra meu peso atual). Duvido que eu consiga, mas estou mantendo o regime normalmente e como medida preventiva passei meu tempo de exercícios aeróbicos para 60 min.

7. A mesma médica deu uma relaxada: não preciso mais ficar com 80cm de diâmetro (em tempo: dos 118 iniciais agora tenho 109,5cm na fita métrica), vamos primeiro perseguir os 94cm. Mas sem pressa, porque é a parte mais difícil sempre de ser resolvida (e em contrapartida a que mais chama atenção nos espelhos, roupas etc.).

8. Estou passando por um turbilhão emocional, conseguindo agrupar amor, raiva, tesão, vontade de matar, ciúme, inveja, destempero, alegria espontânea e gargalhadas altíssimas – tudo ao mesmo tempo. Como todo e qualquer mortal.

9. Dica da médica: "cuidado com os elogios". Agradeço e obedeço. Ela diz ser a fase mais complexa, porque ainda temos muito que avançar, só que como os resultados são visíveis a olho nu, a tendência é achar que está bom e relaxar. Não pode.

E agora, por hoje, está bom. Tentarei escrever com mais frequencia, eu sempre prometo isso. Como esse diário faz parte do processo, é melhor não me desligar de nada.

2 comentários:

enquanto dá disse...

Marcelo, cuidado com a mão, porque turbilhão de emoções só é "tranquilo" em duas situações: TPM e menopausa. O normal é o normal :)

Carol disse...

:) voltou! Mas e a corrida? Nem falou nada... desistiu não, né? O site andou fora do ar uns dias mas já está funcionando normalmente... Dessa vez já paguei a minha inscrição pra não ter surpresas. Go Mar go!!!