segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

46:2

Por coincidências econômico-financeiras, e também por conta da minha cachorra mais nova, já é o segundo carnaval seguido que passo em BH. Antes desses dois (2008 e 2009) eu tive uma experiência meio que desastrosa no Rio de Janeiro, a qual fiquei preso na Barra da Tijuca com um grupo de paulistas que só queriam saber de restaurante, e terminou comigo num táxi, ligando para amigos da cidade, e chorando no lugar mais lindo do mundo em minha opinião – a Quinta da Boa Vista.

Afora os contratempos sou um cara que gosta de carnaval. E como gostar de carnaval entenda-se as músicas, o samba, a alegria e as caras boas das pessoas. Exclua pancadaria e confusão, mas pode adicionar cerveja (esse ano não – levo dieta a risca, principalmente quando eu estou pagando caro por ela).

Uma das coisas que mais gosto no carnaval do Rio é ir para a Cinelândia à noite, e ver os shows dos velhinhos. Quem foi sabe o que estou falando. Pegam aquele tanto de gente que a gente acha que já morreu (mas não morreu), metem eles num palco para cantar e é aquele tanto de marchinha antiga, que a gente ri canta dança e se diverte. Gosto disso. E gosto do público que vai nesse tipo de evento, de crianças a senhoras idosas, muita gente fantasiada. O Rio tem essas tradições.

Aí que alguém da UFMG (dou um braço se não foi ideia da vice-reitora) teve o insight de fazer o mesmo aqui em Belo Horizonte... Juntou o que chamaram de velha guarda do samba, puseram uma estrutura de som, um barzinho no fundo, e chamaram de "Carnaval à moda antiga". Clique aqui para ver o flyer. Eu me interessei pela coisa, fica a três quadras de onde estou, R$10 de entrada, fui. Estava vazio (se tinha 200 pessoas era muito), divertido e muito bom. Tanto que repito a dose às 20h dessa segunda, sem medo.

Estavam lá todos os elementos que gosto em carnaval: marchinhas, crianças fantasiadas, todo mundo dançando sem a preocupação de "pegar" alguém, diversas senhoras idosas felicíssimas, passeando no meio do povo e se divertindo como todo mundo, e uma saudade gostosa dos antigos bailes de carnaval no clube na minha cidade, nos tempos em que meu avô era presidente, e, no final da festa, me puxava pelo salão, eu assentado num bolo de serpentina...

3 comentários:

enquanto dá disse...

Tô tendendo a ir. Vamos ver se eu não durmo de novo :)

Vitor Kesyt disse...

cara gostei de teu blog vei!
tou te acompanhando!

enquanto dá disse...

Marcleo, eu clico clico clico pra te seguir mas o google não deixa!!!